Home Geral Agronegócio: cultivo de cacau recupera áreas degradadas no bioma Amazônia

Agronegócio: cultivo de cacau recupera áreas degradadas no bioma Amazônia

by Logan Nelson

Um estudo mostrou que o cultivo de cacau está recuperando áreas degradadas na Amazônia. O manejo ocorre em sistema agroflorestal. Adriano Venturieri, cientista da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), encabeçou o estudo.

O trabalho recebeu o título de “A expansão sustentável do cacau (Theobroma cacao) no Estado do Pará e sua contribuição para a recuperação de áreas degradadas e redução do fogo”. Ele foi publicado no fim de junho no Journal of Geographic Information System — periódico científico.

Para realizá-lo, foram mapeadas as áreas para avaliar a evolução do cultivo de cacau no Pará. O Estado detém 50% da produção nacional do fruto que dá origem ao chocolate.

-Publicidade-

Cultivo de cacau em áreas degradadas

“O cacau, majoritariamente, não está avançando sobre novas áreas de floresta”, afirma Venturieri. “Ele está ocupando áreas já degradadas e ainda o sub-bosque de florestas que não foram desmatadas integralmente”.

De acordo com o pesquisador, “o que difere o cacau amazônico do de outras regiões do país” é que ele “é plantado com sombreamento, e não a pleno sol”. “É interessante perceber que a presença do cacau nessas áreas acentua a presença da floresta, segura o fragmento florestal que ainda existe e evita o desmatamento”, observa o cientista da Embrapa.

O cientista comenta que várias tecnologias foram usadas no mapeamento. “Foi preciso cruzar imagens de satélite obtidas pelo monitoramento regular do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), do projeto de Mapeamento do Uso da Terra na Amazônia (TerraClass) e os dados do Cadastro Ambiental Rural para ir a campo e checar, com os produtores e técnicos locais, a localização exata do cacau entre as áreas de floresta”, afirmou.

Nos 90 mil hectares mapeados no trabalho, os pesquisadores mostram que praticamente 100% não estão em áreas protegidas. “Na verdade, apenas 0,46% das áreas com cacau está em área de proteção ambiental, em que, de acordo com a legislação, é permitido o desenvolvimento de atividades produtivas”, disse Venturieri.

Mais cacau, menos queimadas

O cultivo do cacau, segundo Venturieri, reduz o uso de queimadas. “O fogo é utilizado geralmente na limpeza do pasto e, com a conversão dessa atividade para a agricultura perene, ele também é reduzido e até substituído por outras formas de preparo de área, reduzindo assim a emissão de gases do efeito estufa e gerando maior proteção ao solo e à água”, explica.

O trabalho confirma o relato local. “Nós comprovamos no mapeamento o que muitos produtores já nos diziam: que o cacau é produzido em áreas menores, não desmata e ainda reduz o uso do fogo”, conclui Venturieri.

Related Posts