Home Cinema & TV Amor e Anarquia: 2ª Temporada | Crítica

Amor e Anarquia: 2ª Temporada | Crítica

by Logan Nelson

.fb-comments,.fb-comments span,.fb-comments span iframe[style]{min-width:100%!important;width:100%!important}

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Tabela de conteúdos

A segunda temporada de Amor e Anarquia finalmente chegou a Netflix, uma série “dia-a-dia” onde podemos conhecer um pouco da vida de Sofie e Max que trabalham juntos em uma editora de livros.

Na primeira temporada, pudemos conhecer um pouco mais da vida sexual frustrada de Sofie e dos problemas cotidianos de sua vida, onde após um longo período desempregada conseguiu finalmente encontrar um rumo para sua vida e mal imaginava que ela iria virar de pernas pro ar.

AVISO: A partir desse momento leves spoilers da primeira e segunda temporada de Amor e Anarquia poderão ser encontrados no texto.

Como começou?

Após chegar na Lund & Lagerstedt durante a primeira temporada, Sofie logo tem suas primeiras interações com Max, que a irritava com o alto barulho da furadeira, pois estava mexendo na internet do local que estava com problemas.

Desde aquele momento, Sofie acabou pegando um certo “ranço” de Max, mandando-o ir embora e trabalhar mais tarde para que não acabasse enchendo sua paciência.

A imagem mostra a personagem Sofie, da série Amor e Anarquia da Netflix, durante uma cena da primeira temporada.A imagem mostra a personagem Sofie, da série Amor e Anarquia da Netflix, durante uma cena da primeira temporada.
Sofie na primeira temporada de Amor e Anarquia. Reprodução: Netflix

Ao voltar mais tarde até a editora, Max acabou encontrando Sofie matando seus desejos sexuais após o expediente e a filmou, mostrando para a chefe no dia posterior fazendo com que ela se irritasse e o obrigasse a apagar o vídeo, mas Max só faria com um custo.

A partir daquele momento começou o grande atrativo da série, onde os dois trocavam bilhetes desafiando um ao outro para realizar tarefas para eles como “apago o vídeo apenas se você…, apenas devolvo o batom se você…” e foi dessa maneira que a série foi se sustentando até a segunda temporada.

A nova abordagem de Amor e Anarquia

A segunda temporada de Amor e Anarquia acabou trazendo uma nova abordagem para a série, deixando o lado cômico e carismático dos personagens um pouquinho mais de lado e trazendo à tona um pouco mais das dificuldades da vida e dos relacionamentos.

Sugestões para você

Momentos tristes, de decepção e arrependimentos podem ser encontrados na segunda temporada como perda de familiares, de cônjuges e até mesmo de emprego.

As piadas e momentos engraçados não deixaram de existir em Amor e Anarquia, mas está tudo abordado de uma maneira muito mais leve e sutil, para que os espectadores entendam que na verdade, nem tudo são flores como a primeira temporada retratava.

Narrativa

Na primeira temporada, Sofie foi contratada como consultora da Lund & Lagerstedt para fazer a migração da editora para a era digital, mas isso acabou sendo deixado de lado na segunda temporada.

Por mais que a meta ainda seja se manter no digital, onde a grande massa está nos dias atuais, a Lund & Lagerstedt anda passando por maus bocados e está à beira da falência, fazendo com que vários funcionários precisem ser demitidos.

Sofie acabou sendo uma das funcionárias que precisou ser desligada da empresa por falta de condições financeiras para bancar o seu salário, fazendo com que a personagem fique ainda mais desolada do que já estava.

Isso porque no início da segunda temporada descobrimos que finalmente Sofie terminou seu relacionamento com Yohan, agora seu ex-marido e pai de seus dois filhos, e finalmente foi viver suas aventuras ao lado de Max.

Com um sentimento de frustração e dificuldades financeiras, Sofie acaba voltando para a Lund & Lagerstedt para tentar reestruturar a empresa, mas isso não será uma tarefa nada fácil para alguém que além de problemas em sua vida, tem certos motivos para se distrair da empresa.

A segunda temporada também mostra um pouco mais da vida de Friedrich, um personagem que tem suma importância dentro da Lund & Lagerstedt e não foi explorado na primeira temporada. Já na segunda temporada podemos ver mais a fundo sua importância e seu relacionamento com a escritora Vivianne.

Vale a pena assistir Amor e Anarquia?

Mantendo a essência da primeira temporada, Sofie continua sendo uma personagem adulta enquanto seu pai com espírito de adolescente está sempre aprontando poucas e boas, fazendo com que a personagem acabe perdendo o rumo de sua vida.

A série vem com a premissa de entregar momentos de comédia, realidade e muitas críticas sociais, e consegue transmitir todas as sensações que almeja para os espectadores, mesmo em curtos episódios de cerca de 30 minutos cada,

Amor e Anarquia para mim foi uma das melhores surpresas que a Netflix entregou recentemente, ao trazer uma série de uma cultura muito diferente do que estamos habituados a ver em filmes e séries do gênero.

Related Posts