Home Geral Bombardeios da Rússia prosseguem no leste da Ucrânia, que espera nova ajuda

Bombardeios da Rússia prosseguem no leste da Ucrânia, que espera nova ajuda

by Logan Nelson

Depois de quatro meses e meio de guerra na Ucrânia, o exército russo prosseguia neste sábado (9) com os bombardeios incessantes na região de Donetsk (leste do país), ao mesmo tempo que o governo dos Estados Unidos prometeu uma nova ajuda militar a Kiev.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, fez uma advertência neste sábado sobre os riscos de inação diante da Rússia: “Os olhos de todos os movimentos e regimes políticos agressivos do mundo estão voltados para o que a Rússia está fazendo conosco”, escreveu no Instagram.

“O mundo conseguirá levar à justiça os verdadeiros criminosos de guerra?”, perguntou, antes de alertar para o risco de “centenas de outras agressões” se o mundo não reagir.

Em Donbass, no progressivamente conquistado leste da Ucrânia, “os golpes brutais da artilharia russa não param por um dia”, condenou o presidente ucraniano na noite de sábado, e pediu armas “modernas e poderosas” para se defender.

“Em um dia, a Rússia atingiu Mikolaiv (sul), Kharkov (nordeste), Krivoy Rog (cidade natal de Zelensky no leste), povoados na região de Zaporizhia (leste)… Atingiu deliberadamente simples casas, alvos civis, pessoas. Há vítimas, mortos, feridos”, listou.

O exército russo está “se reagrupando, ou melhor, reconstituindo seus grupos e preparando novas ações em Sloviansk, Kramatorsk, Bakhmut”, estimou o governador da região de Donetsk, Pavlo Kyrylenko, na sexta-feira, por meio do Telegram.

Zelensky anunciou que passou a sexta-feira na região de Dnipro (centro) e felicitou “a todos os muçulmanos da Ucrânia e do mundo” por ocasião do Eid al-Ada, a Festa do Sacrifício. Também afirmou aos tártaros da Crimeia que chegará o dia em que “vamos nos parabenizar em uma Crimeia livre”, península anexada pela Rússia em 2014.

O ministério da Defesa da Rússia afirmou que o exército do país provocou importantes perdas aos ucranianos nas regiões de Mykolaiv e Dnipro (sul e centro do país, respectivamente), e anunciou bombardeios em Kharkiv e Donetsk.

Ao bombardear a região de Donetsk, onde prosseguem as retiradas de civis, Moscou tenta assumir o controle de toda a bacia do Donbass, seu objetivo estratégico desde que se retirou no fim de março da região de Kiev.

Bombardeios dia e noite

No campo de batalha, o Estado-Maior ucraniano relatou neste sábado novos bombardeios russos no leste do país e em Kharkiv, mas sem uma ofensiva terrestre, exceto uma tentativa em Dolomitne, perto de Bakhmut (leste).

“Toda a linha de frente está sob bombardeio incessante”, afirmou na sexta-feira Kyrylenko.

“Eles não param de bombardear na direção de Donetsk (…) Bakhmut foi bombardeada, Sloviansk foi bombardeada dia e noite, Kramatorsk…”, acrescentou o governador de Donetsk.

Os serviços de emergência ucranianos afirmam que seis civis ficaram feridos (quatro deles hospitalizados) em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, na queda de um foguete em um edifício residencial. 

Em Lugansk – a província que ao lado de Donetsk forma a bacia de mineração do Donbass -, o governador regional Serguei Gaiday declarou que os russos têm como alvo a região de Donetsk.

“Nós tentamos contê-los (…) mas quando não podem avançar, criam um verdadeiro inferno, bombardeando todos os terrenos possíveis”, alertou.

A vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshuk, pediu aos moradores das zonas ocupadas pelos russos que abandonem estas áreas por todos os meios e advertiu que acontecerão “grandes combates”.

Cinco pessoas morreram nesta região nas últimas 24 horas e sete ficaram feridas, de acordo com as autoridades ucranianas.

Oleksandr Vilkul, prefeito de Krivoi Rog, disse que a Rússia bombardeou a localidade com bombas de fragmentação, o que deixou um morto e dois feridos.

Além disso, o exército russo também começou a incendiar plantações, segundo as autoridades locais.

“Há grandes incêndios nos campos que são provocados intencionalmente pelo inimigo. Eles tentam destruir as plantações por todos os meios. Bombardeiam máquinas agrícolas, colheitadeiras”, denunciaram.

A invasão russa da Ucrânia, país considerado um dos grandes celeiros do planeta, provocou um forte aumento nos preços dos alimentos e contribuiu para a aceleração da inflação mundial.

Ajuda dos Estados Unidos

De acordo com uma fonte do Pentágono, a nova ajuda militar americana, de 400 milhões de dólares, inclui quatro sistemas lançadores de foguetes múltiplos Himars e mísseis de 155 mm. O objetivo é melhorar a capacidade ucraniana de atingir os depósitos de armas e as cadeias de suprimentos do exército russo.

Washington já concedeu 6,9 bilhões de dólares em assistência militar a Kiev desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

Além da ajuda, Washington aumentou a pressão a nível diplomático. O secretário de Estado americano, Antony Blinken, pediu ao governo da China que condene “a agressão” russa na Ucrânia durante um encontro neste sábado com o chanceler de Pequim, Wang Yi.

E o Reino Unido recebeu um primeiro grupo de 10.000 soldados ucranianos para treinamento em território britânico.

“Este programa ambicioso de treinamento é a próxima fase de apoio do Reino Unido às Forças Armadas da Ucrânia em sua luta contra a agressão russa”, afirmou o secretário de Defesa britânico Ben Wallace.

Related Posts