Home Geral OMS pede que redes sociais bloqueiem ‘desinformação’ sobre varíola dos macacos

OMS pede que redes sociais bloqueiem ‘desinformação’ sobre varíola dos macacos

by Logan Nelson

Autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) pediram às plataformas de redes sociais e às agências de notícias que combatam a “desinformação” sobre a varíola dos macacos, doença que infectou principalmente gays e agora começa a contaminar outros grupos. Na semana passada, a OMS declarou a doença como uma emergência global de saúde.

O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, chegou a pedir para que os gays reduzissem o número de parceiros, como forma de se prevenir da doença, e acentuou que “o estigma e a discriminação podem ser tão perigosos quanto qualquer vírus e podem alimentar o surto”.

Comparando a situação com a epidemia de covid-19, ele disse que “a desinformação e as informações erradas podem se espalhar rapidamente on-line”

-Publicidade-

“Por isso, pedimos a todas as plataformas de mídia social, empresas de tecnologia e agências de notícias que trabalhem conosco para prevenir e combater informações prejudiciais”, acrescentou, sem especificar como se daria o controle da informação e que tipo de informações não é verdadeira.

Há mais de 23,6 mil casos de varíola dos macacos confirmados e cinco mortes em 80 países. Cerca de 70% dos casos foram registrados na Europa, enquanto as Américas representam cerca de 25%. No Brasil, há quase mil casos e uma morte confirmada.

O vírus se espalha por meio de contato físico próximo, incluindo relações sexuais, e também pode ser transmitido ao tocar em objetos que alguém com o vírus usou.

O Departamento de Saúde da cidade de Nova Iorque escreveu recentemente uma carta a Ghebreyesus dizendo que a cidade mais uma vez está no epicentro de uma doença contagiosa e já tem mais de mil casos confirmados. Nos Estados Unidos, já são mais de 5,8 mil e os Estados de Nova Iorque e da Califórnia já decretaram emergência por causa da varíola dos macacos.

Na carta, o departamento de saúde de Nova Iorque também expressou preocupação com o efeito que o nome monkeypox pode ter em comunidades vulneráveis, ​​“dado o estigma que pode gerar e a dolorosa história racista na qual terminologia como essa está enraizada para comunidades de cor”. O pedido era que a OMS usasse termos alternativos para o vírus, como “hMPRXV” e “MPV”, pois o vírus não “se origina em macacos”.

A carta publicada pelo departamento de saúde:

No entanto, o site do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA  afirma que a varíola dos macacos foi descoberta pela primeira vez em 1958, quando dois surtos de uma doença semelhante à varíola ocorreram em colônias de macacos mantidos para pesquisa. Apesar disso, o CDC diz que a origem da doença permanece desconhecida.

O governo Biden estaria ponderando declarar a varíola dos macacos uma emergência nacional de saúde pública nos próximos dias, segundo alguns jornais e sites. O anúncio viria do Departamento de Saúde e Serviços Humanos e permitiria à agência federal receber mais dinheiro e nomear novos funcionários.

Related Posts