Home Cinema & TV Only Murders in The Building T2E5 | Crítica

Only Murders in The Building T2E5 | Crítica

by Logan Nelson

.fb-comments,.fb-comments span,.fb-comments span iframe[style]{min-width:100%!important;width:100%!important}

Tempo estimado de leitura: 7 minutos

O episódio mais recente de Only Murders in The Building intitulado de “O Indício” mostra um pouco mais do passado de Oliver e seu filho, um possível novo suspeito e um segredo escondido há décadas que pode ter sido revelado.

Tabela de conteúdos

Lembrando, essa crítica do 5º episódio da 2ª temporada de Only Murders in The Building terá indispensavelmente alguns spoilers no caminho, então apenas leia se não for um grande problema para você.

Only Murders in The Building 2º Temporada: “O Indício”

O quinto episódio da segunda temporada é ao redor de Oliver, onde mostra um pouco mais do relacionamento com o seu filho – ou não – e um pouco de seu passado, demonstrando como ele é tão bom em desvendar mistérios, percebendo o “sinal” das pessoas.

Durante toda a jornada do episódio é mostrado para nós que Oliver sempre sabe quando a pessoa está dizendo algo apenas através de uma forma de se expressar, seja ela propositalmente ou acidentalmente.

Muito dessa forma de perceber se a pessoa está sendo sincera ou não, é mostrado em um flashback onde Oliver está em sua casa jogando Son of Sam, um jogo onde você precisa basicamente descobrir quem é o assassino, e ele vê seu filho Will espionando a festa.

Ao Will sair correndo e deitar na cama, Oliver cita vários motivos para saber que ele não está na cama, como por exemplo a porta estar aberta sendo que ele têm medo de monstros e ele estar usando meias nos pés sendo que ele não gosta de dormir utilizando meias.

A Relação de Charles e Jan

A relação de Charles e Jan também é colocada em jogo no quinto episódio da série, onde ele foi visitá-la na prisão para entender mais sobre o que a motivou a realizar o assassinato da temporada passada e o que pode ter motivado o atual assassino, e até mesmo quem poderia ser. Jan dá algumas dicas para Charles, dizendo que possivelmente é algum novo amigo próximo do trio e provavelmente alguém que goste de arte, por ter montado toda uma cena de assassinato no Arconia.

Vale ressaltar também que é notório que Charles e Jan ainda se amam, relembrando momentos em que passaram juntos e a química que os dois tinham, será que o casal vai retornar ainda nesta temporada com uma possível ajuda de Jan para resolver o crime?

O suposto novo assassino

Após longas conversas com a Jan, Charles então começa a deduzir que o assassino pode ser Alice, o novo romance de Mabel, que supostamente surgiu após Bunny ser assassinada e que é uma amante da arte, podendo possivelmente se encaixar com a dica de Jan.

Sugestões para você

Entretanto, Alice não tem nenhuma relação com nenhum outro crime, pelo menos isso não foi nos revelado até o momento, e para tentar descobrir isso, Oliver tentou o clássico Son of Sam.

Na incrível cena de Oliver jogando Son of Sam com Alice e todos os outros participantes de uma festa que Mabel estava dando, descobrimos que Alice mentiu sobre inúmeros momentos importantes da sua vida, causando até mesmo uma cena constrangedora, pois na verdade ela não era o assassino do jogo.

Mesmo após o fracasso ao tentar incriminar Alice, Oliver não desiste e acaba indo até o restaurante que Bunny frequentava após ver o mesmo devolvendo o dinheiro que recebia de gorjeta da Bunny.

Ao ver as imagens de segurança do estabelecimento, Oliver consegue ver que o assassino pega uma caixa de fósforos logo antes de sair, sendo um bom motivo para suspeitar.

Cara Delevingne e Selena Gomez em Only Murders in The Building. Imagem: Reprodução/Hulu+

O cliffhanger final

Em uma das cenas finais do episódio, vimos Alice e Mabel dormindo juntas, após Alice se desculpar e contar os motivos de ter escondidos inúmeros segredos, e logo no final dessa cena podemos ver que Alice estava com a carta de Son of Sam dentro de sua bolsa.

Já por parte de Charles, podemos ver ele ao telefone com Jan e ver que sim, Charles está voltando a se apaixonar por Jan, e possivelmente iremos ver mais sobre esse relacionamento nos próximos episódios da temporada.

Por parte de Oliver é o momento em que o final desse episódio de Only Murders in The Building que mais esquentou, onde vemos que Will fez um teste de DNA para ajudar seu filho em um projeto escolar, e os resultados revelam que Oliver não é seu pai de verdade.

Isso porque ele é metade grego, sendo que a linhagem de Oliver é irlandesa. Depois de olhar para os seus Dimas que ele estava prestes a comer, Oliver percebeu que o seu ex-amigo (quem assistiu a primeira temporada, vai entender) pode ter feito o que não devia com sua ex-esposa durante uma das festas.

Aparentemente os únicos segredos que Oliver não soube descobrir, são realmente os que estão debaixo do seu nariz, como o próprio episódio nos mostra, e fez com que o final do episódio tenha um vínculo acertado com o começo do mesmo.

O quinto episódio da segunda temporada de Only Murders in The Building está cheio de lembranças, reviravoltas e mais. Confira a crítica!O quinto episódio da segunda temporada de Only Murders in The Building está cheio de lembranças, reviravoltas e mais. Confira a crítica!
Imagem: Reprodução/Hulu

O rumo da Segunda Temporada

Parando para analisar, as coisas podem ser um tanto quanto repetitivas, isso porque a segunda temporada leva para o mesmo rumo da primeira: Alguém do Arconia foi assassinado.

Entretanto, por se tratar da pegada de um podcast de investigação de assassinatos, eles conseguem fazer com que tudo flua de uma forma tão sutil e convincente, conseguindo colocar um caminhão de informação em um episódio de apenas 30 minutos, sem deixar ele monótono e sempre aguçando a curiosidade dos espectadores.

Na minha humilde opinião, Only Murders in The Building é uma das séries mais bem feitas dos últimos tempos.

Related Posts