Home Geral Separações e busca de respeito internacional: por que países mudam de nome?

Separações e busca de respeito internacional: por que países mudam de nome?

by Logan Nelson

Resumindo a Notícia

O primeiro presente que um ser humano ganha na vida é o próprio nome. Na maior parte dos casos, a palavra escolhida geralmente pelos pais meses antes do nascimento do filho é levada por ele por toda a sua existência, é a forma como se apresenta daí em diante para o mundo.

No caso de um país, não é muito diferente. A decisão sobre o nome pode envolver uma série de fatores, como a vegetação local, a cultura do povo ou até mesmo o regime político. Por esses motivos, a mudança de nome acaba sendo também uma consequência de como a nação quer ser vista pela própria população e pelo mundo.

O cientista político e professor do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) Leandro Consentino explica que até o Brasil — que recebeu esse nome pela exploração do pau-brasil — já foi renomeado para enfatizar questões políticas, como a proximidade diplomática com os Estados Unidos.

“O Brasil, por exemplo, quando nasceu para república, se chamava Estados Unidos do Brasil, com uma forte influência norte-americana. Depois isso foi deixado de lado, virando a República Federativa para enfatizar o caráter tanto republicano quanto federativo do regime”, diz Consentino ao R7.

O professor de relações internacionais da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) Luiz Felipe Osório afirma que na maioria das vezes as mudanças ocorrem como uma forma de rompimento com o colonizador.

“A mudança de nome significa sempre um renascimento, uma nova identidade que aquele território quer assumir perante os pares no sistema internacional. Talvez o motivo mais frequente seja a descolonização, ou seja, a iniciativa de romper por completo os laços com o colonizador ou com o período de submissão que, às vezes, impõe à localidade os nomes mais desconexos com suas realidades”, explica Osório ao R7.

Muitos nunca ouviram falar de Alto Volta, Costa do Ouro ou Rodésia, mas certamente conhecem Burkina Faso, Gana e Zimbábue. Estes foram os nomes escolhidos pelos países quando conseguiram a independência e o rompimento dos laços com França e Reino Unido.

“Rodésia tinha esse nome em razão do colonizador britânico Cecil Rhodes, que queria colonizar até as estrelas, se possível”, brinca Osório.

Exemplos na África não faltam, como o Zaire, que virou República Democrática do Congo — que nada tem a ver com a República do Congo —, Sudoeste Africano, que se tornou Namíbia, entre outros.

Essas mudanças não são exclusividade africanas. Na Ásia, o Ceilão é o atual Sri Lanka — onde nos dias de hoje a população participa de manifestações que derrubaram o presidente Gotabaya Rajapaksa —, a Birmânia virou Mianmar, e o Paquistão Oriental, chamado agora de Bangladesh.

Holanda ou Países Baixos? Turquia tem medo de ser confundida com um peru?

Se a África e a Ásia passaram por revoluções populares que alteraram o nome de países, o Velho Continente também tem histórias parecidas. Após a dissolução da União Soviética, diversos países do Leste Europeu decidiram se separar ou mudar de nome.

Um dos casos mais conhecidos é o da Iugoslávia. Uma das grandes potências dentro da União Soviética, viu a queda da grande república unificada iniciar um desmanche do seu território, até o fim definitivo. Bósnia e Herzegovina, Croácia, Eslovênia, Kosovo, Macedônia, Montenegro e Sérvia surgiram a partir da dissolução iugoslava.

Toda essa separação fez o talentoso meia Dejan Stankovic disputar três Copas do Mundo por três países: Iugoslávia (1998), Sérvia e Montenegro (2002) e Sérvia (2010).

Mais recentemente, outros países europeus decidiram mudar seu nome. A popular Holanda fez um “reposicionamento de marca” em 2020 e pediu para ser chamada de Países Baixos.

“Holanda era a designação abreviada de apenas uma província do total dos Países Baixos que constituem o território. Além de Amsterdã (também conhecida como Holanda do Norte), há a Holanda do Sul e outras dez províncias (Barbante do Norte, Drente, Flevolândia, Frísia, Guéldria, Groningen, Limburg, Overijssel, Utrecht e Zelândia)”, detalha Osório.

Apesar da decisão do governo dos Países Baixos de mudar o nome, é preciso que o restante do mundo abrace a ideia. O que, de fato, ainda não ocorreu, segundo Consentino.

“A questão da Holanda e dos Países Baixos deixa bem claro o fato de que não adianta você mudar o nome se você, de alguma forma, não consegue ‘vender esse nome do ponto de vista internacional’. Alguns nomes pegam e outros não pegam.”

Ainda segundo o professor do Insper, com o tempo, o nome Países Baixos deve ganhar espaço e começar a ser usado de maneira mais recorrente no cenário internacional.

O caso turco, porém, é o mais diferente de todos os citados acima. Preocupado com a grafia em inglês do nome do país — Turkey —, que significa peru, o governo de Recep Tayyip Erdogan pediu à ONU que a nação fosse conhecida internacionalmente como Türkiye.

Além de nomear uma ave, a palavra turkey pode ser usada na língua inglesa com referência a uma pessoa tola, estúpida.

“Os países querem se inserir mais no cenário global, no cenário internacional, e, portanto, um temor que se soma às preocupações histórico-culturais é como o seu país vai ser visto, vai ser encarado, no cenário internacional. […] [A Turquia] quer soar de uma forma mais simpática ou menos jocosa ao Ocidente”, conclui Consentino.

Related Posts