Home Cinema & TV Um dos filmes mais aguardados de 2022, romance com Dakota Johnson acaba de estrear na Netflix

Um dos filmes mais aguardados de 2022, romance com Dakota Johnson acaba de estrear na Netflix

by Logan Nelson
.adsense-slot-90740 { width: 300px; height: 250px; margin-bottom: 20px; }@media (min-width: 421px) { .adsense-slot-90740 { width: 300px; height: 250px; margin-bottom: 20px; } }@media (min-width: 768px) { .adsense-slot-90740 { width: 300px; height: 250px; margin-bottom: 20px; } }@media (min-width: 980px) { .adsense-slot-90740 { width: 300px; height: 250px; margin-bottom: 20px; } }@media (min-width: 1200px) { .adsense-slot-90740 { width: 300px; height: 250px; margin-bottom: 20px; } }

Ninguém ousava desafiar a autoridade paterna no Reino Unido do começo do século 19, por mais sombrias que fossem as consequências dessa submissão sem limite e nada convicta. A escritora britânica Jane Austen (1775-1817) foi uma das artistas que melhor retratou esse lado obscuro da sociedade em que viveu, dando origem a uma narrativa caudalosa, que se espraiou em três volumes. Em “Razão e Sensibilidade” (1811), Austen dá início à saga em que discorre sobre o amor em oposição às premências mais básicas da vida; “Orgulho e Preconceito” (1813) segue nessa mesma direção, especulando acerca da honra de uma família outrora influente, mas em apuros de dinheiro, cuja única grande chance de mudar seu destino reside no casamento arranjado da filha mais velha e um homem rico, que aparentemente a deseja, mas não consegue se impor diante da mãe superprotetora. O último deles, “Persuasão” (1816), marca o fim da trilogia e da obra literária da autora, que morre em 18 de julho de 1817, aos 42 anos, vítima do mal de Addison, uma doença autoimune a respeito da qual nada se sabia duzentos anos atrás. Resta inacabado “Sanditon”, em que Austen confirma a predileção por esquadrinhar as pequenezas da burguesia da Velha Inglaterra, algo que fez como ninguém.

Adaptado para o cinema pela primeira vez há quase trinta anos, em 2022 “Persuasão” torna à vida pelas mãos de Carrie Cracknell, que fez carreira no teatro e agora mostra excelência também na realização de filmes. É óbvia a interseção entre seu ofício de origem e o novo meio que abraça, a começar pela opção de fazer a protagonista falar diretamente à câmera, recurso usado à farta no teatro. A derrubada da quarta parede é, sem dúvida, um expediente que aproxima (demais) público e atores, mas Cracknell é muito competente ao empregá-lo ao mesclar essas entradas individuais com longas passagens do texto profuso de Austen, roteirizado pela estreante Alice Victoria Winslow e o veterano Ron Bass. Mesmo se comparado à ótima versão de Roger Michell (1956-2021), levada à tela em 1995, a qualidade da releitura mais atual se impõe, com a ressalva de que, conscientemente ou não, Cracknell saúda “Persuasão” como um exemplo de modernidade, cujo arrojo da premissa — e o destemor da mente privilegiada de onde veio — não poderia ser mero adorno.

Dakota Johnson encarna uma Anne Elliot  que quase salta do raiar do século retrasado para a contemporaneidade. A força da personagem e da produção mesma está, em grande medida, em seu apelo estético. Os figurinos de Marianne Agertoft, mormente, claro aqueles com que veste a protagonista de Johnson, são precisamente essa carta de intenções para o arquétipo da mulher a frente de seu tempo, e passariam, com um ou outro ajuste pontual, por roupas prêt-à-porter de butiques hypadas da Londres dos nossos dias. Esse frescor de “Persuasão” sob o olhar inventivo de Cracknell, defendido por sua atriz principal, que o ancora confessadamente, revela-se uma decisão acertada, que justifica o novo longa, sem nenhum prejuízo para a essência da trama original, que se diga. Continua lá a mulher madura (para os padrões de 1816, por evidente) perdida, torturada pelas decisões nem certas nem erradas de um passado nem tão distante, mas remoto, que vence pelo próprio esforço, malgrado seja obrigada a conviver com a possibilidade de passar o resto de seus dias entornando garrafas de bom vinho na imensidão de um quarto em desabrido caos, sobre uma cama fria e mal-ajambrado, contando apenas com a lealdade do coelho de estimação. Até que o homem de que desfizera, e de quem segue enamorada passados oito anos, reaparece.

O capitão Frederick Wentworth vem a ser a personificação do malogro existencial de Anne em sua esfera mais particular, mais íntima, e felizmente Cracknell não cede à patrulha do politicamente correto, sempre pronta a fazer justiça com as próprias mãos — ainda que isso implique reescrever a História e mesmo as histórias —, tampouco ao feminismo vulgar, e mantém a protagonista como o que de fato é: mulher forte da casca para fora, mas disposta a todo gênero de humilhação a fim de reaver o amor do homem que, a essa altura, não mais ama, venera. Cosmo Jarvis, por seu turno entende a grandeza do papel, e faz de Wentworth um homem rude, talhado pelos solavancos do mar proceloso, mas verdadeiramente nobre, cuja bondade interdita a menor referência a joguinhos de sedução que antevejam tolas vinganças, também porque o despontar do belo William Elliot, de Henry Golding, o primo afastado e ambicioso, no horizonte de Anne pode provocar uma trindade de infelizes.

Romance como não se faz há muito tempo, “Persuasão”, o livro, encontra mais uma vez, boa acolhida nos braços seguros de Carrie Cracknell. Espantosamente desafetado para uma produção com esse teor, o filme é divertido sem ser ligeiro, e sofisticado sem ser pedante. E muito persuasivo. Deliciosamente persuasivo.


Filme: Persuasão  
Direção: Carrie Cracknell
Ano: 2022
Gêneros: Romance/Drama
Nota: 9/10

Related Posts