Home Geral Valor do leite pago ao produtor não acompanha preço final

Valor do leite pago ao produtor não acompanha preço final

by Logan Nelson
Compartilhe

Reuniões do Projeto Campo Futuro foram realizadas para o levantamento dos custos de produção de leite em Sergipe

Nesta semana, reuniões do Projeto Campo Futuro foram realizadas para o levantamento dos custos de produção de leite em Sergipe, a prévia do custo de produção de propriedades de médio porte do alto sertão é de R$ 1,70, por litro de leite, para ser vendido em média, por R$ 2,40, sendo que já houve um acréscimo nesse valor em relação ao mês passado.

\/div>

Mas, os consumidores finais têm sentido no bolso o preço do leite vendido nos supermercados desde o início do mês de julho, quando foi divulgada a pesquisa do Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Aracaju), em que o leite líquido integral (1l) consta com preços entre R$ 5,45 e R$ 9,79.

De acordo com o produtor assistido pela Assistência Técnica e Gerencial do Senar Sergipe, Hélio Inácio, que produz uma média de 210 litros de leite por dia, no povoado Lagoa do Rancho, em Porto da Folha, com o aumento dos custos de produção, o preço do leite tende a aumentar, mas o valor pago aos produtores ainda não chegou ao preço justo. O filho do produtor, Elison Cardoso, conta que em conversas com produtores do Rio Grande do Sul, eles chegam a receber R$ 4,00 no litro do leite, por isso aqui em Sergipe, nós estamos aos poucos chegando a um valor mais justo para o produtor. “Os custos de produção ainda são muito altos, a mão de obra dobrou nos últimos dois anos e a tendência é que chegue aos R$3,00.NO primeiro semestre, o produtor, que não parou de produzir e agora começa a ter lucratividade.”, explica.

Segundo a Federação de Agricultura e Pecuária de Sergipe (FAESE), a alta no preço do leite no supermercado, tem relação com um desequilíbrio entre a oferta e demanda, a pandemia, a alta do dólar, a crise de fertilizantes, Guerra na Ucrânia, entre outros fatores que levaram ao aumento do custo de produção, diminuindo a margem de lucro do produtor rural, por isso, está longe de ser responsabilidade do produtor. “O produtor determina o padrão de qualidade de seus produtos, mas não define o preço final ao consumidor, já que sobre esse preço implicam questões imprevisíveis como clima, custos e mercado”, reforça o presidente da Faese, Ivan Sobral.

Crescimento em Sergipe

A tendência é de valorização do leite em Sergipe, a última pesquisa divulgada pela Embrapa Gado de Leite, com dados do IBGE, indicou Sergipe como o segundo estado que mais cresceu da produção leiteira, no primeiro trimestre de 2022, uma realidade contraditória com a maior parte do país que registrou em queda na produção, além de desistências na atividade.

A crescente valorização do leite em Sergipe, chega com a boa notícia da aquisição da Sabe Alimentos no município de Muribeca, pelo laticínio Damare, o que vai garantir maior competitividade e mais uma opção para o produtor escoar a produção de leite do Estado.

Segundo o laticínio, a previsão é que a fábrica comece a operar no primeiro trimestre de 2023. “O investimento na indústria de laticínios no Nordeste, fortalece ainda mais o crescimento da bacia leiteira Sergipana”, reforça o presidente do Sistema Faese/Senar, Ivan Sobral.

Original de CNA Brasil

Related Posts